Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Fevereiro > Serviço de computação em nuvem do governo federal já tem adesão de 23 órgãos

Economia

Serviço de computação em nuvem do governo federal já tem adesão de 23 órgãos

Governo Digital

Tecnologia permite acelerar a transformação digital, além de ser mais barata para o Estado
por publicado: 13/02/2020 08h12 última modificação: 13/02/2020 13h09

O serviço de computação em nuvem (cloud, em inglês) do governo federal, também chamado de Nuvem Gov.Br, já conta com a adesão de 23 órgãos da Administração Pública. Entre os que vão oferecer novos sistemas e serviços de forma online na plataforma digital estão, por exemplo, os ministérios da Economia, da Saúde, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e a Controladoria-Geral da União (CGU), além de órgãos de outros Poderes, como o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

A primeira rodada de adesão, iniciada ano passado, previa utilização no montante de até R$ 60 milhões pelos órgãos federais. Deste total, R$ 55 milhões já foram contratados. A adoção de nuvem tem o objetivo de otimizar os serviços de infraestrutura dos órgãos públicos, com o mínimo de esforço de gerenciamento ou de interação com o provedor de serviços, garantida a segurança das informações.

O modelo evita, também, aumento de custos nos mais de 130 centros de processamento de dados que existem hoje na administração federal. “Nossa estratégia é não expandir mais esse volume de datacenters, principalmente pelos custos de manutenção e ineficiência de alocação”, explica o secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro. “Assim, a diretriz é mover serviços para a nuvem. Ela é mais escalável e, também, mais barata.”

Treinamento

As equipes dos mais de 20 órgãos que aderiram ao primeiro contrato da Nuvem Gov.Br já estão em treinamento para uso da plataforma. A intenção é que os primeiros sistemas e serviços sejam oferecidos a partir de março. 

“Quando você utiliza serviços em nuvem você desonera a ponta, ou seja, evita que órgãos tenham que contratar outros tipos de infraestrutura, como servidores e máquinas virtuais”, esclarece o diretor do Departamento de Operações Compartilhadas, Merched Oliveira.​