Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Janeiro > Edição de dezembro do Boletim de Subsídios da União avalia política de desoneração de medicamentos

Economia

Edição de dezembro do Boletim de Subsídios da União avalia política de desoneração de medicamentos

SUBSÍDIO

De acordo com a publicação, foram gastos R$ 11,8 bilhões com o subsídio tributário em 2018, 4% do total do gasto tributário federal no ano
por publicado: 31/01/2020 17h31 última modificação: 31/01/2020 17h31

A Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria (Secap) do Ministério da Economia divulgou, nesta quarta-feira (22/01), a 14ª edição do Boletim Mensal sobre os Subsídios da União. Na publicação, a Secap analisou a política de desoneração de medicamentos concedida ao setor privado enquanto instrumento da Política Nacional de Assistência Farmacêutica.

De acordo com o boletim, só em 2018 – quando a desoneração atingiu seu ápice – foram despendidos R$ 11, 8 bilhões com esse subsídio tributário, o que equivale a 4% do gasto total tributário federal. No mesmo ano, o nível de gastos diretos do governo federal com a aquisição de medicamentos para o Sistema Único de Saúde (SUS) atingiu R$ 13,9 bilhões.

A diferença entre os dois gastos – R$ 2,1 bilhões – foi a menor em 10 anos. Os dados são provenientes das secretarias da Receita Federal e de Orçamento Federal do Ministério da Economia.

 Política regressiva

A partir desses números, o boletim avaliou o nível de regressividade das duas políticas. Em relação à desoneração de medicamentos detectou-se o alto grau de regressividade. O estudo revela que os 20% mais pobres da população se beneficiam de 6,3% do gasto tributário total, enquanto os 20% mais ricos se apropriam de 43,5% da totalidade.

A publicação também ressalta a distribuição gratuita de remédios em postos de saúde como política regressiva – na qual os 20% mais pobres se apropriam de 11,9% dos benefícios e os 20% mais ricos de 21,6% – mas menos concentrada do que a política de desoneração. Sendo assim, o estudo sugere que a assistência gratuita do SUS, ainda que regressiva, constituiria uma modalidade de provisão de medicamentos menos desigual do que a concessão de subsídios tributários para o financiamento privado.

“Em 2018, o valor despendido com a desoneração tributária de remédios foi muito próximo ao gasto direto na provisão de medicamentos via SUS. Ainda assim, 13,8% das pessoas que tiveram medicamentos prescritos não conseguiram obtê-los, seja por indisponibilidade da sua oferta na rede pública ou por falta de capacidade de pagamento. Entre os 20% mais pobres, a falta de acesso a medicamentos chega a 23,5%. O boletim aponta, portanto, a necessidade de aprimoramento do atual modelo de assistência farmacêutica do governo federal, tanto na provisão pública direta e gratuita, quanto na modalidade de financiamento público do consumo privado por subsídios tributários”, destaca o subsecretário de Avaliação de Subsídios da União do Ministério da Economia, Nelson Leitão Paes.

Comprometimento das famílias  

O boletim de subsídios revela, ainda, que as despesas com a compra de medicamentos representam o principal gasto com saúde das famílias brasileiras, comprometendo 2,5% do rendimento médio domiciliar. No entanto, esse comprometimento é muito superior entre os 10% mais pobres, atingindo 8,3% da renda desse grupo, enquanto o comprometimento dos mais ricos é de 1,6%.

Sendo assim, o boletim evidencia a importância das despesas com medicamentos no total das despesas com saúde das famílias de menor nível de renda. Já entre as famílias com maior nível de renda o gasto predominante se dá com planos de saúde.

Desoneração dos medicamentos

A política de desoneração de medicamentos é um benefício tributário concedido a empresas farmacêuticas com objetivo de reduzir os preços dos remédios e ampliar o acesso da população a medicamentos essenciais. A principal finalidade da política é assegurar o direito à saúde da população previsto pela Constituição.

Boletim de Subsídios

Criado em 2018, o Boletim de Subsídios da União é uma publicação mensal que reúne informações sobre os benefícios tributários, creditícios e financeiros. A publicação tem como objetivo garantir transparência e estimular o debate tanto do poder público como da sociedade sobre as políticas públicas financiadas por esses subsídios.