Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > Março > Estoque da dívida pública federal totalizou R$ 3,874 trilhões em fevereiro

Economia

Estoque da dívida pública federal totalizou R$ 3,874 trilhões em fevereiro

Contas públicas

Resultado indica aumento de 1,71% em termos nominais; não residentes ampliaram participação
por publicado: 27/03/2019 14h51 última modificação: 27/03/2019 15h16

O Tesouro Nacional divulgou nesta quarta-feira (27) o Relatório Mensal da Dívida Pública Federal (DPF) do mês fevereiro. O estoque da DPF apresentou aumento, em termos nominais, de 1,71%, passando de R$ 3,808 trilhões em janeiro para R$ 3,873 trilhões. 

A Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) teve seu estoque ampliado em 1,69%, passando de R$ 3,669 trilhões para R$ 3,732 trilhões. O acréscimo é devido à emissão líquida de R$ 36,5 bilhões e apropriação positiva de juros no valor de R$ 25,91 bilhões.

Figura: Emissões e resgates da Dívida Mobiliária Federal Interna (DPMFi)

Fonte: Relatório Mensal da Dívida Pública Federal (DPF) – Fevereiro de 2019 da Secretaria do Tesouro Nacional

Em fevereiro, as emissões da DPMFi alcançaram R$ 55,14 bilhões, sendo R$ 25,67 bilhões em títulos com remuneração prefixada, R$ 7,86 bilhões remunerados por índice de preços e R$ 21,61 bilhões em títulos indexados a taxa flutuante. Desse total, foram emitidos R$ 51,95 bilhões nos leilões tradicionais, R$ 850 milhões em leilão de troca, R$ 2,30 bilhões relativos às vendas de títulos do Programa Tesouro Direto e R$ 30 milhões relativos às emissões diretas.  

Segundo o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital, de modo geral “no mês de fevereiro, o mercado externo teve tom positivo, marcado por redução de volatilidade e melhora na percepção não apenas do risco-Brasil, mas também de países comparáveis, como México e Colômbia. Já o mercado doméstico, em fevereiro, foi marcado por relativa estabilidade”.

Com relação ao estoque da Dívida Pública Federal externa (DPFe), houve aumento de 2,24% sobre o apurado em janeiro, encerrando o mês de fevereiro em R$ 141,92 bilhões. Desse total, R$ 127,75 bilhões são referentes à dívida mobiliária e R$ 14,17 bilhões à dívida contratual.

Detentores

Os não-residentes apresentaram aumento de R$ 21,49 bilhões no estoque, o que elevou a participação relativa desse grupo de 11,80% para 12,18%. O grupo Governo teve uma participação relativa de 4,12%. O estoque das Seguradoras encerrou o mês em R$ 156,18 bilhões.

No grupo Previdência, houve variação negativa de estoque, que passou de R$ 918 bilhões para R$ 916,38 bilhões. Instituições financeiras aumentaram o estoque em R$ 17,21 bilhões, atingindo R$ 824,68 bilhões no mês.  O grupo Fundos de Investimento também aumentou o estoque, de R$ 992,95 bilhões para R$ 1,016 trilhão. 

Figura: Participação relativa dos detentores da Dívida Mobiliária Federal Interna (DPMFi)
Fonte: Relatório Mensal da Dívida Pública Federal (DPF) – Fevereiro de 2019 da Secretaria do Tesouro Nacional

Tesouro Direto

O maior destaque no mês vai para o índice de operações cujo valor é inferior ou igual a mil reais, que foi de 65% em fevereiro. Esta fração de praticamente dois terços corresponde à maior participação dessa modalidade de operação em toda a série histórica. “Essa é mais uma prova de que o Tesouro Direto tem caminhado em direção ao seu maior objetivo, que é justamente a democratização do acesso ao investimento”, comentou Luis Felipe Vital.

As operações de até R$ 5 mil reais corresponderam a 85% do total. Pelo segundo mês consecutivo, o número de novos investidores ativos  — isto é, que efetivamente realizaram operação já no primeiro mês de participação no programa  — superou a marca de 50 mil, totalizando 51.161 novos investidores ativos. O total de investidores cadastrados chegou a 3.590.394, o que representa incremento de 80,86% em relação a fevereiro de 2018.

As emissões do Tesouro Direto em fevereiro atingiram R$ 2,304 bilhões, enquanto os resgates corresponderam a R$ 1,590 bilhão, o que resultou em emissão líquida de R$ 714,42 milhões. O título mais demandado pelos investidores foi o Tesouro Selic, que representou  45,70% do montante vendido.

Já no mês de março, o destaque foi a emissão do título ‘Global 2029’ em volume equivalente a um bilhão de meio de dólares estadunidenses e cujo vencimento se dará em 30 de maio de 2029.

Perspectiva

Em sua avaliação, Vital destacou o tom misto que tem marcado o mercado no mês de março. Afirmou que, apesar do aumento da preocupação com a desaceleração do crescimento global, principalmente nos continentes europeu e asiático,  a sinalização de que o Banco Central dos Estados Unidos passará mais tempo sem aumentar a taxa de juros tende a ser positiva para mercados emergentes.

Especificamente quanto ao mercado doméstico, Vital afirmou que são esperadas oscilações ao longo do mês de março, “porém, nada fora do padrão de normalidade”.

Para saber mais, acesse a apresentação.


Multimídia